5 de julho de 2021

Disputa hegemônica EUA x China: a postura do Brasil

Volume 8 | Número 83 | Jul. 2021







Por 

Ana Clara Schmitz Weber[i]

Christiane Scheuermann[ii]

Livia Rocha Hoffmann[iii]

Roberto Rodolfo Georg Uebel[iv]






1 INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas, a discussão sobre o declínio dos Estados Unidos enquanto potência hegemônica e o advento de uma nova hegemonia tornou-se um dos principais debates do campo das Relações Internacionais (FIORI, 2010.). Nesse sentido, diversos autores trabalham com a possibilidade de a China emergir enquanto nova potência mundial, com a capacidade de determinar os rumos do século XXI. (FIORI, 2010)[v]. Portanto, este artigo visa compreender de que maneiras as duas nações candidatas ao posto de hegemon abordaram o Brasil durante a crise da COVID-19, tendo em vista o seu papel de agente organizador regional da América do Sul. Primeiramente, será descrito o processo de consolidação brasileira enquanto ator fundamental para as dinâmicas sul-americanas, seguida por uma análise do comportamento chinês e estadunidense a partir dessa perspectiva no contexto da pandemia da COVID-19. No fim, o artigo defenderá a existência de três cenários possíveis para o Brasil, como consequência da sua resposta aos movimentos dos Estados Unidos e da China.



2 BRASIL COMO AGENTE ORGANIZADOR REGIONAL

A busca pela posição de país influenciador e organizador regional começa com Rio Branco visando estabilizar a região para protegê-la do imperialismo europeu. Com isso, houve uma aproximação com os Estados Unidos, reconhecendo-o como a grande potência do século. Nesse período, as fronteiras nacionais foram delimitadas, e houve uma tentativa de aproximação com os países vizinhos. A política externa de Getúlio Vargas foi marcada pelo pragmatismo, pela barganha e pela diplomacia pendular. Estando em um lado do pêndulo os Estados Unidos e no outro a Alemanha nazista, Vargas conseguiu barganhar com os dois poderes dicotômicos do momento. Nos governos que sucederam Rio Branco e Vargas houve períodos de alinhamento automático, de pragmatismo ou de rivalidade com os Estados Unidos.

Nessa alternância de posicionamento, que visava, em alguns momentos, atrair a atenção do poder hegemônico, ocorrera o desenvolvimento de uma política externa cujo objetivo era a aproximação com países terceiro-mundistas, como a Operação Pan-Americana (OPA), no governo de Juscelino Kubitschek, e a Política Externa Independente (PEI) nos governos de Jânio Quadros e João Goulart. Após esse período, a política externa da ditadura civil-militar foi marcada por atritos regionais e alinhamento com os Estados Unidos. No decorrer dos governos, o Brasil aumentou a sua presença apoiando golpes militares e buscando acordos comerciais, ao mesmo tempo que disputava a hegemonia regional com a Argentina. A Organização Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) e o Acordo Tripartite no governo de João Figueiredo demonstram o papel articulista, coordenador e organizador do país, o que no futuro próximo possibilitou a formação do Mercosul, Iniciativa para Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA), OTCA e outros acordos e parcerias.

Ainda assim, isso, segundo as teses de Halford Mackinder, não torna possível considerar o Brasil como o heartland da América do Sul por conta dos fatores geográficos do país (grande costa marítima e o imenso planalto). Sua posição geográfica permite que poderes externos entrem e se movimentem com facilidade dentro do território. Segundo Bastos Júnior (2020 apud BECKER, 2012, p. 119), “atribuir o poder à configuração das terras e mares e ao contexto dos territórios é seguir o princípio do determinismo geográfico e omitir a responsabilidade humana na tomada de decisão política, inclusive a dos Estados que, na verdade, moldam a geografia de seus territórios”. 

A partir disso, poder-se-á afirmar que o Brasil possui um imenso potencial geopolítico devido a sua posição na América do Sul. Ele deve ser visto pela sua "capacidade de articulação para estimular o desenvolvimento econômico, promover a segurança, a permanência da paz para todos os países envolvidos nesses fóruns e, por meio deles, o equilíbrio de poder mundial” (BASTOS JÚNIOR, 2020)[vi]. O poder regional brasileiro seria validado pelo papel coordenador do país, indo de encontro com as teses de Mackinder, pois alianças trazem uma projeção de poder ampliando faculdade geopolítica e a atuação do Brasil em múltiplos fóruns (BASTOS JÚNIOR, 2020)5.


3 BRASIL, CHINA E ESTADOS UNIDOS NO CONTEXTO DA PANDEMIA DO COVID-19

A partir do pressuposto que, no século XXI, a América do Sul experienciou uma série de mudanças no âmbito social, econômico e político (PECEQUILO, 2013[vii]), em grande parte decorrentes do comportamento do Brasil e a sua projeção internacional, cabe analisar as maneiras pelas quais as principais candidatas a hegemon procuram aumentar a sua influência, em especial, por meio da geopolítica das vacinas. Embora a geopolítica das vacinas represente o capítulo mais recente para a análise do comportamento dos três atores envolvidos, é importante retomar o histórico das relações Brasil-Estados Unidos e Brasil-China, que oscilaram entre momentos de cooperação, competitividade e conflito (PECEQUILO,2013).

A influência estadunidense no Brasil é muito mais antiga e subjetiva do que a chinesa. Desde o surgimento da Doutrina Monroe (1823), prevalecia a lógica da “América para os americanos”, ou seja, qualquer tentativa de hegemonia extrarregional e intrarregional deveria ser contida na América Latina (PECEQUILO, 2013). Todavia, no período pós-Guerra Fria, o investimento dos EUA na região reduziu significativamente (PECEQUILO, 2013). Essa lacuna de poder acabou por favorecer a emergência de projetos regionais de desenvolvimento, principalmente, por parte do Brasil e da Venezuela (PEQUILO, 2013). 

Nesse processo, o Brasil destacou-se por uma abordagem majoritariamente Sul-Sul, e pela busca pelo estabelecimento de parcerias com outros emergentes, como os BRICS (PEQUILO, 2013). Portanto, a aproximação estratégica com a China se deu principalmente a partir dos anos 2000. Ela beneficiava tanto a China, que buscava formas de diminuir sua dependência da potência hegemônica, quanto o Brasil, que via na parceria com a China uma forma de diminuir a interdependência assimétrica com os Estados Unidos (PEQUILO, 2013), que se distanciaram ainda mais da América Latina e do Brasil no governo de Donald Trump, apesar das exaustivas tentativas brasileiras de estreitamento das relações.

A crise do Coronavírus expôs essa dinâmica simultânea de competitividade, conflito e cooperação que vinha se formando, uma vez que ela se desenrola nesse cenário com a China como maior parceira econômica do Brasil e com os Estados Unidos focados no seu interesse nacional. A COVID-19 totalizou 177,5 milhões de casos mundialmente entre 22 de janeiro de 2020 e 18 de junho de 2021 (JOHNS HOPKINS UNIVERSITY, 2021)[viii]. Enquanto isso, a China e os Estados Unidos produziram, respectivamente, no mesmo período, 141.624.000 e 103.000.000 do total de 413 milhões de vacinas, sendo os líderes da produção mundial (STATISTA, 2021)[ix]. Inicia-se, assim, a geopolítica assimétrica da vacinação.

Nessa corrida pela vacinação mundial, a China partiu na frente, aproveitando a introspecção estadunidense. Ao invés de focar na sua população como os Estados Unidos, desde o início a China foi uma das principais parceiras na contenção da doença em países ao redor do mundo, não somente na sua região, como inclusive do Brasil, doando suprimentos, insumos e doses de vacina. No entanto, por questões ideológicas, a relação sino-brasileira, que beneficiaria ambas de maneiras diferentes, não funcionou no nível de integração que poderia ter acontecido por causa de ataques ideológicos do governo brasileiro ao partido comunista chinês (THE NEW YORK TIMES, 2021)[x].

A esperança de apoio estadunidense como recompensa pelo alinhamento político-ideológico do governo brasileiro com o estadunidense de Donald Trump se mostrou infundada. Assim, o Brasil, cuja crise somente piorava, precisou recorrer à ajuda da China. Atualmente, 55,9% das vacinas aplicadas no Brasil são da vacina chinesa Sinovac, com 39,4 milhões de doses conforme a Rede Nacional de Dados em Saúde – RNDS (2021)[xi]. Enquanto isso, os Estados Unidos sob o governo de Joe Biden anunciaram a doação de 500 milhões de doses da Pfizer pela iniciativa Covax, e, mesmo o Brasil fazendo parte da coalisão, não será um dos beneficiados do programa (G1 GLOBO, 2021)[xii].

Percebe-se, mesmo com a importância geopolítica regional brasileira, o país não está conseguindo fazer uso do poder que tem por causa da falta de planejamento nas estratégias de alinhamento. Ao mesmo tempo que ofende a parceria chinesa, precisa da sua ajuda para aliviar os efeitos da crise sanitária nacional. A presença chinesa no continente passa a ser sentida, assim como a ausência da estadunidense. Os EUA, enquanto potência hegemônica ao menos das Américas, tem ciência de que sua posição é privilegiada, tanto por causa da posição geográfica, quanto por causa da proximidade político-cultural, e aparentemente conclui que sua influência local é uma garantia. No entanto, nenhum espaço fica vazio e, quando ele não é ocupado, outros podem aproveitar a oportunidade para impulsionar seus próprios interesses.

Portanto, pode-se estabelecer três principais perspectivas brasileiras em relação aos Estados Unidos e à China. O cenário mau seria um no qual o Brasil continua nutrindo animosidade para com a China e não consegue avançar suas relações com os parceiros estadunidenses. Nesse caso, o Brasil se encontra completamente isolado do sistema internacional, o que deve ser evitado ao máximo pelas autoridades brasileiras. O cenário feio seria o estreitamento das relações brasileiras com apenas uma das potências; não é o ideal, porque o Brasil estaria em posição de desvantagem, mas pelo menos o isolamento não é total. Por fim, o cenário bom é aquele no qual o Brasil consegue, mais uma vez, aplicar a diplomacia pendular, agora entre a China e os Estados Unidos. Com isso, o Brasil estaria em posição de vantagem em ambas as relações, tanto por causa da competição entre as duas potências, quanto pelos interesses que elas têm no Brasil. Desse modo, o ponto crucial para que o Brasil consiga concretizar esse cenário é uma retomada ao pragmatismo pelo qual já é reconhecido internacionalmente.

 



[i] Estudante bacharelanda em Jornalismo na Escola Superior de Propaganda e Marketing (Unidade POA).

[ii] Estudante bacharelanda em Relações Internacionais na Escola Superior de Propaganda e Marketing (Unidade POA).

[iii] Estudante bacharelanda em Relações Internacionais na Escola Superior de Propaganda e Marketing (Unidade POA).

[iv] Professor de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing (Unidade POA).

[v] FIORI, José. Maria da Conceição Tavares e a hegemonia Americana. Lua nova, v.50. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ln/a/yRVB8XfmhvgmkMQq7Tvgvsy/?lang=pt. Acesso em 5 jun. 2021

[vi] BASTOS JÚNIOR, Nelson Marinho de. A validade da teoria geopolítica de Mackinder no mundo atual: os conceitos ratificados podem contribuir para nortear a inserção internacional do Brasil? Brasília, 2020. Disponível em: http:https://repositorio.esg.br/handle/123456789/1240. Acesso em: 09 de jun. 2021.

[vii] PECEQUILO, Cristiana. A América do Sul como espaço geopolítico e geoeconômico: o Brasil, os Estados Unidos e a China. Carta Internacional. Vol. 8, n. 2, jul.-dez. 2013, p. 100 a 115. Disponível em:https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/113/72. Acesso em 8 jun. 2021

[viii] JOHNS HOPKINS UNIVERSITY. COVID-19 Dashboard. 2021. Disponível em: https://coronavirus.jhu.edu/map.html. Acesso em: 18 jun. 2021.

[ix] STATISTA. Forecasted global real Gross Domestic Product (GDP) growth due to the coronavirus (COVID-19), from 2019 to 20202021. Disponível em: https://www.statista.com/statistics/1102889/covid-19-forecasted-global-real-gdp-growth/. Acesso em: 7 abr. 2021.

[x] THE NEW YORK TIMES. Brazil Needs VaccinesChina Is Benefiting. Disponível em: https://www.nytimes.com/2021/03/15/world/americas/brazil-vaccine-china.html. Acesso em 10 jun. 2021.

[xi] BRASIL. COVID-19 Vacinação Doses Aplicadas. Disponível em: https://qsprod.saude.gov.br/extensions/DEMAS_C19Vacina/DEMAS_C19Vacina.html. Acesso em: 10 jun. 2021.

[xii] G1 GLOBO. EUA anunciam doação de 500 milhões de doses da Pfizer para países pobres; Brasil fica de fora. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/06/10/casa-branca-anuncia-a-doacao-de-500-milhoes-de-doses-da-pfizer-para-paises-pobres.ghtml. Acesso em: 10 jun. 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário